4

Preconceitos sociais no Brasil: Um caso verdadeiro, analisado pelo filósofo Paulo Ghiraldelli Jr

É, foi tão rápido que eu nem tive tempo de fazer a divulgação da boa nova: Além do Café com Notícias", que se filiou como parceiro à nossa rede nesta semana, Paulo Ghiraldelli Jr., o filósofo da Cidade de São Paulo (isso é o que ele diz, mas eu corrijo para 'o filósofo mais popular e ativo do Brasil')  agora também é nosso parceiro, tendo agregado à rede DDD, três dos seus sites: Rede Paulo Ghiraldelli Jr (mais de 1600 membros), Portal Brasileiro da Filosofia e Blog Paulo Ghiraldelli Jr (veja os links ao final do artigo).
E já chegou mostrando trabalho e nos dando um presente, com o interessante artigo abaixo, em que analisa um padrão de comportamento humano perigosamente tido como normal, tomando como exemplo um caso real, ocorrido no Estado da Bahia. Vejam as suas reflexões e tentam praticar uma empatia com o pensamento deste importante e atento filósofo! Segue a matéria:
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Vai sair? Então deixe o corpo em casa
O Brasil não é mais um país de brancos. As estatísticas mostram isso. Nosso país se orgulha, agora, de ser uma democracia racial. Este é o discurso oficial. Mas, na vida cotidiana, o preconceito com a cor se mistura à hipocrisia e ao medo da sensualidade, sempre associada aos mais escuros de pele, e continua criando dificuldades para muitas pessoas. Entre essas pessoas, as mulheres são as mais visadas.

Uma bela mulata, jovem, formada em pedagogia, subiu no palco em um show de pagode e dançou o ritmo que está tomando a Bahia, o “Todo enfiado”. No meio da dança, o vocalista levanta a saia da moça. É claro que ela não deu vexame, ela não saiu dali chorando e espancando o vocalista. A professora estava participando de uma festa. Pode não ter gostado do que ocorreu, mas jamais iria descer do palco em atitude agressiva.  É claro que os celulares filmaram tudo. Uma vez na Internet, a professora foi identificada e perdeu o emprego. Ela dava aulas para crianças de cinco anos em uma escola particular. Não contentes com isso, os bahianos vizinhos dela, por meio de pressão moral e psicológica, empurraram a moça para fora do bairro, onde morava com o filho pequeno.

A professora preferiu não servir de mártir. Acuada, não deu entrevistas. Provavelmente tem medo de não conseguir mais emprego. Não estou falando de um estado sulista não! Estou contando um caso da Bahia, recém ocorrido.

Este é o Brasil da democracia racial não oficial. Quando escuto e vejo isso, e quando olho o tratamento que a imprensa televisiva deu ao caso, tenho vergonha do Brasil. As televisões que menos desaprovaram a moça, ainda assim falaram dela com certo asco na voz.

A professora estava dançando e não podia prever que iria ter a bunda mostrada. Era um divertimento. Ela tinha esse direito. Por um quase exagero do vocalista, ela pagou um preço muito alto. Agora, a culpa é do vocalista ou dela? Não há culpa. Não há culpa! Isso é que é necessário entender. Não é possível que ao compartilhar do ethos do povo, um elemento individual da sociedade que usufrui desse ethos, seja punido. A professora nada fez senão dançar o que todos nós dançamos: a dança de pessoas de uma democracia racial.

A dança que toma os palcos bahianos é igual a qualquer outra dos últimos vinte anos, do “Tcham” à “Dança da Bundinha”.  Que os jovens, principalmente os que sabem rebolar e possuem a jinga no sangue, venham a fazer isso em particular ou em público, é alguma coisa não só permitida, mas é, na prática, incentivada.  A professora está na casa dos vinte, portanto, cresceu com isso. Faz parte do que aprendeu como correto, e é o correto. É bobagem dos conservadores eles quererem transformar a dança e o divertimento em “foi lá para mostrar o rabo”. E se foi, e daí? Danças mostram partes do corpo, impossível dançar sem o corpo. O próprio nome da dança, como tantas outras, diz claramente que a sensualidade envolvida na coisa é, de fato, a sensualidade do momento, da exibição de certas partes do corpo e com certas posições e relações entre roupa e corpo.  Não podemos confundir o ato de mostrar uma parte do corpo em uma dança e o ato de mostrar a parte do corpo em um determinado lugar para uma determinada pessoa, em gesto que pode ser qualificado de obsceno. Não há dança obscena.
A atividade da professora, ao dançar, não foi na escola. Nem mesmo foi ela quem filmou e colocou na internet. Além disso, mesmo que tivesse dançado na escola e posto na internet, ainda assim seria necessário ver que todos, nos últimos trinta anos, estiveram diante de babás eletrônicas (ah, loiras podem!) que dançaram mostrando partes do corpo. Claro! Como dançariam sem corpo? Ah, querem dança disciplinada? Dança não é marcha militar!

Se todas as mulheres não puderem nem mais cruzar as pernas em um bar porque, se filmadas e aparecer a calcinha, serão demitidas, então teremos institucionalizado o terrorismo de todos contra todos. É necessário parar agora com isso. Não parar de filmar. Mas parar com o ataque da pressão social que quer fazer o nosso corpo desaparecer. Ou paramos agora com isso ou vamos começar a punir a nós mesmos por sermos o que somos. Criar problema contra o fato da moça mostrar o corpo pertence ao mesmo tom de conversa daqueles que invocavam com Lula por ele ter barba. É a exigência do “padrão do corpo”, é o desrespeito a tudo que somos como humanos. Não é moralismo não. O moralismo é apenas casca, neste caso. É vontade, mesmo, de colocar “na linha” os que, com sua presença exuberante, mostram para nós que somos corpo. Os conservadores odeiam essa lembrança. Pois, quando ficam sabendo que somos corpo, percebem que todos iremos morrer – desaparecer. Eles não querem aceitar isso, querem ser imortais, então, não admitem que somos todos corpos. Cada um de nós é ou gostaria de ser aquilo que a professora soube mostrar, e que os conservadores amam e odeiam: a beleza do corpo.

Os conservadores que demitiram a moça ou que a pressionaram e os donos do colégio que, enfim, disseram que ela não foi demitida (mas não foi incentivada a ficar), vão ganhar o troco mais cedo do que esperam. Suas filhas vão dançar o “Tudo atolado” na frente deles. Com 6, 7, 12 ou 15 anos. Todas vão mostrar as nádegas e vão gingar muito. As mulatas irão, talvez, gingar melhor que as brancas. Isso ocorrerá não só em Salvador, mas no Brasil todo.

No entanto, no cotidiano, a professora vai carregar a marca da discriminação. O ethos do qual ela participa, vencerá. Sabemos disso. No entanto, não podemos viver da glória hegeliana de achar que os indivíduos devem pagar o preço pelo sucesso da história em seu rumo à liberdade. Não! Temos de fazer justiça a cada indivíduo, agora, para não ter de criar cotas justiceiras futuras. A professora precisaria ter a lei a favor dela agora, neste momento. A OAB e o próprio presidente da República e os candidatos à presidência, todos deveriam apoiá-la. Agora sim, o governador da Bahia deveria vir a público, como fez naquele espalhafatoso caso do professor universitário que deu entrevista na rádio mostrando preconceitos de toda ordem. Naquele caso, era fácil. Quero ver agora, em que o preconceito contra nosso sangue e nosso ethos está mascarado. Quem se cala nessa hora, com medo do Brasil reacionário, é covarde. Quem fala um “azinho” da moça professora, é um verme.

©28 de agosto de 2009 Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo.



--
Paulo Ghiraldelli Jr.
O Filósofo da Cidade de São Paulo
Inscreva-se na rede social:
http://ghiraldelli.ning.com

4 comentários:

Wander Veroni disse...

Oi, Ivo!

Antes de mais nada, obrigado por divulgar o Café com Notícias na Rede DDD.

Esse caso da professora dançando axé me intrigou, sabe. Quem não tem o direito de ter uma vida particular que atire a primeira pedra? Uma coisa ela fazer isso na sua vida íntima. Outra é fazer em sala de aula.

Isso não só mostra preconceito, quanto ignorância por parte dos educadores. Se ela é uma má profissional daí já é outra história.

Parabéns por divulgar essa história e propor o debate sobre a questão.

Abraço,

http://cafecomnoticias.blogspot.com

Ivo S. G. Reis disse...

Valeu, Wander. Como bom jornalista que é, seus comentários são sempre imparciais e inteligentes. Mas teve gente que odiou o artgo e crucificou o autor. Resta saber se ele virá se defender.

Em tempo: Vou trabalhar no seu artigo de boas-vidas. Abraços!

gibanet disse...

Como diria o "Jack", vamos por partes...
...Em primeiro lugar o autor está corretíssimo em relação ao preconceito e racismo, tanto é que aqui no Brasil, vemos todos os dias o preconceito escancarado contra os gays, negros, indios, ateus e pobres.
Os gays tem direito de serem o que são por opção, e eles não estão em nada interferindo na vida de mais ninguém, apenas incomodam aqueles que ficam preocupados em cuidar da vida alheia. O mesmo acontece em relação aos negros e índios, pois se nós esfregarmos um branco em um índio, ou um negro em um índio, todos perceberão que o negro continuará negro, sem desbotar, o branco continuará branco e o índio ídem.
No caso dos pobres, até pobres tem preconceito em relação aos seus iguais.
No Brasil a coisa acontece em simbiose ao picadeiro, onde tudo não passa de atuação e palhaçada.
Para exemplificar melhor. A Carla Peres pode fazer a dança do Tham, da boquinha da garrafa e onde aparecer será aplaudida e pedirão autógrafos, mas a professora, pobre, negra não pode.
A Xuxa Meneguel pode fazer um filme onde simula uma relação sexual com um menino de apenas 12 anos, mas ela é "Global", loira e rica, ela pode, também acontece de ela ter fãs que aplaudem e peder autógrafos, mas se fosse o filme uma produção independente onde os atores fossem pobres, não globais, não galãs, todos já teriam sido presos, processados e suas vidas arruinadas.
Se eu pegar meu carro e dirigir bebado, serei preso, multado e humilhado, só porque eu sou neguinho? mas se eu fosse deputado, jogador de futebol profissional ou ator de novelas, aí diriam que foi uma fatalidade e um mês depois nada mais se falaria.
Pirataria é crime, você pode ser preso, mas o nosso presidente da republica já assistiu cópias piratas de Carandiru, Dois filhos de Francisco e Tropa de Elite no avião presidencial, é depois deste fato ainda é recebido com tapetes vermelhos.
Há líderes religiosos, políticos e empresários sendo investigados por desvio de verba, que em minha opinião se traduz como roubo, mas tudo bem, a população continua enchendo as igrejas e pagando seus dízimos, continuam votando em corruptos dos mais ordinários e pagando seus impostos e continua chamando os citados empresários de "Doutor".
Se houvesse pena de morte para hipocrisia,idiotisse e burrice, 80% da população do Brasil já teria sido condenada.
Ronaldinho Fenômeno é nosso heroi, Edir macedo é nosso heroi, José Sarney é nosso heroi, Carla Perez é nossa Heroina, Xuxa Meneguel é nossa Heroina.
Viva a liga da Justiça...
Um grande abraço
Giba

Ivo S. G. Reis disse...

Taí, Giba, parabéns! Inteligentíssimo comentário. Por acaso, um dos exemplos que você citou, o da Xuxa, eu também havia feito essa comparação em um dos meus comentários, em outro blog onde repliquei o artigo.

E vou dar mais um, divulgado recentemente: um cidadão foi ( e está) preso porque roubou um par de óculos numa loja. O banqueiro Daniel Dantas, que roubou o país, não. Que merda é essa de dois pesos e duas medidas?

Não sei, não sei. O assunto é polêmico. A professorinha pisou um pouco na bola sim. Mas não merecia ser execrada como foi, por tão pouco. E acho que foi esse aspecto, o da injustiça social e da falsa moralidade, o que o autor quis destacar no texto. Só que muitos não entenderam.

Obrigado por sua inteligente participação, bem como aos demais que responderam. Este assunto merece ser melhor debatido e não é tão sem importãncia, como muitos pensam.

Postar um comentário

Expresse a sua opinião, positiva ou negativa, sobre o texto acima. Seu comentário, se não retido pelo verificador automático de spam, será publicado de imediato. Se a publicação demorar alguns minutos, retorne e confira!

As imagens utilizadas neste blog foram coletadas na internet ou produzidas por adaptações ou fotomontagens. Se por acaso o detentor do copyright não concordar com a exibição, basta entrar em contato conosco e comprovar a propriedade para que a retiremos do blog.

Pesquisar neste blog

Pingar/Favoritar/Compartilhar/Traduzir

Uêba - Os Melhores Links Acessar Portal
Enviar post ao lado para ... ->Bookmark and Share

Traduzir(Translate):


Nota de esclarecimento:

Apesar de primarmos pela seriedade deste blog, só informando aquilo que é correto e comprovado, em determinadas ocasiões seremos obrigados a optar pela linguagem bem-humorada e irreverente dos jovens. Afinal de contas, o nosso objetivo é "informar e divertir" e, ocasionalmente, em alguns dos assuntos referentes a Religião e Política, esse tipo de linguagem poderá vir a ser utilizado, mas apenas como recurso literário, sem que isso represente uma ofensa ou achincalhamento a qualquer pessoa ou àquelas instituições, o que, aliás, repelimos.

Por favor, senhores políticos e religiosos, deixem-nos falar e não nos processem. Vocês podem retrucar, debater e se defender aqui mesmo e, se estivermos errados, nos retrataremos. O espaço também é livre para vocês.

Seguidores

Siga-me fora

Meu Espaço no Scribd

Link do blog


(Copie e cole o código acima na barra lateral do seu blog)

Acessar
Ocorreu um erro neste gadget

Minhas Redes Sociais



O grande coirmão

Parceiros Recentes


Bem-vindo, visitante

Bem-vindo, visitante!

Aqui você pode conhecer a minha opinião sobre variados assuntos, emitir a sua e/ou conhecer as dos outros usuários, com quem também poderá debater sobre os temas expostos. As únicas coisas a evitar são as ofensas pessoais, o radicalismo e o fanatismo, principalmente em questões de natureza religiosa.

Os artigos atribuídos ao administrador foram elaborados sob a ótica do racionalismo ou intimista. Todos os "posts" estão classificados por áreas de interesse. Escolha a da sua preferência e participe!


Arquivos

Meus Sites Literários

Ver site literário do autor

Videowalls

Mural de Recados

Comunique-se com outros participantes deste blog, deixando e recebendo recados!

El Escaparate (Ayuda Blogger)

Últimos Comentários

Visitantes:

Geral:

Efeitos Especiais
Por país, a partir de 17/06/2009: free counters

Atividades/Origens das visitas

MyFreeCopyright.com Registered & Protected
Textos protegidos por Copyright
Reprodução permitida, desde que
sem alterações e com citação do
autor original e fonte.
cód 2ª ln, 1ª cl esq

Conheça também estes sites da Rede DDD:

Clique aqui para acessar
Clique aqui para acessar
-- cód 1ª ln, 3ª cl (dir) --
--- cód 2ª ln, 3ª cl (dir) ---
Template por Abdul Munir, customizada por Ivo S. G. Reis | Blog - Layout4all
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...